Recuar, jamais!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma das políticas públicas mais bem-sucedidas na área da saúde dos últimos 30 anos está em risco. Trata-se da reforma psiquiátrica brasileira, concluída em 2001 graças à Lei 10.216, do então deputado federal Paulo Delgado (PT-MG). É que, agora em dezembro, a Comissão de Intergestores Tripartide (CIT) do Ministério da Saúde aprovou, a toque de caixa, uma portaria que prevê um retrocesso na norma, considerada revolucionária, no tratamento de pacientes com transtornos mentais graves em todo o país.

Entre as alterações previstas na portaria, estão a manutenção de leitos em hospitais psiquiátricos e a limitação na oferta de serviços extra-hospitalares. As mudanças propõem ainda a implantação de Centros de Apoio à População de Rua (CAPS R) nos locais de concentração de usuários de drogas, e a internação compulsória dos pacientes. Tais medidas configuram-se na total desconstrução do SUS, pois privilegiam o atendimento hospitalar em total desacordo com o que prevê a lei federal.

Desde sempre os trabalhadores em saúde mental se mostraram contrários à privatização do setor e denunciaram práticas desumanas impostas aos pacientes nas instituições privadas. Com a aprovação da Lei em 2001, após 12 anos de tramitação no Congresso Nacional, um novo horizonte se desenhou aos pacientes mentais e seus familiares. Começava ali a extinção de manicômios em vários estados e municípios brasileiros, e novos serviços, prevendo, inclusive, a reinserção das pessoas com transtornos mentais à sociedade, passaram a ser adotados.

Paracambi foi um dos primeiros municípios a implantar o novo modelo a partir de 2001, época em que fui prefeito. Fizemos uma intervenção no maior hospício da América Latina, a Casa de Saúde Dr. Eiras, um manicômio desprezível, onde pessoas com transtornos mentais eram tratadas como lixo.

Implantamos um programa de saúde mental de excelência atendendo a todas as prerrogativas do Ministério da Saúde com a criação do Centro de Assistência Psicossocial (Caps II), Residências Terapêuticas e casas de passagem. Temos muito orgulho de ter preparado esses pacientes para retornarem às suas casas, sem a necessidade de internação. Criamos oficinas, centro de convivência, e atividades extras como o Bloco Carnavalesco Maluco Sonhador e o programa de rádio Antena Virada. Nossa vontade sempre foi a
de atender aquelas pessoas e vê-las recuperar sua cidadania. Esse foi um sonho realizado. Por todo esse exemplo, de que é possível dar dignidade aos portadores de transtornos mentais, é que consideramos lamentável e inaceitável assistir a essa tentativa de desmonte de 30 anos de trabalho.

Andre Ceciliano é deputado estadual (PT)

__________________________
Publicado pelo jornal “O Globo” no dia 28 de dezembro de 2017, clique aqui para acessar.

RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS NO SEU EMAIL OU POR WHATSAPP

Mais notícias

Presidenta do PT diz que papel do ex-secretário de Assuntos Federativos vai além da sua

Lei determina a instalação de composteiras orgânicas nas escolas e foi proposta através da plataforma

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano

Fotos: Antônio Pinheiro O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva arrastou uma multidão pelas ruas

O Circo Voador, na Lapa, ficou lotado na noite desta quinta-feira (06/10), em um ato

Em clima festivo, o candidato ao Senado pela Federação Brasil da Esperança (PT/PV/PCdoB), André Ceciliano,

Foto: Reprodução / Instagram O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), votou na manhã deste