André defende atuação política na Baixada: “Fazer discurso não tira da lama o pé do trabalhador”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Diante da bancada de entrevistadores do podcast Lado B do Rio, André Ceciliano, candidato ao Senado pela Federação Brasil da Esperança, fez nesta quarta-feira (28) uma defesa da atuação política na Baixada Fluminense. A população da região, disse André, precisa de ações práticas, e não discursos de quem não se compromete com nada.

Único candidato com apoio da direção nacional do PT e do próprio presidente Lula, André também lembrou que a eleição para o Senado tem por tradição ser resolvida nos últimos dias da eleição.

Sobre a importância políticas direcionadas a Baixada, especialmente nas áreas de educação, saúde, segurança, esporte e cultura, André criticou os chamados “políticos de opinião”, que pouco ou nada fazem para a população na prática.

– Você pode até ganhar uma eleição com discurso, mas vai ser uma única eleição. Na Baixada, se você não mudar a vida das pessoas, você não se reelege. Quer ser um político de opinião? Lá não tem espaço para isso. A coisa mais fácil no parlamento é votar contra e fazer discurso. Você vota contra tudo, você não se compromete com nada. Você vai fazer discurso a vida inteira. Isso pega bem na capital, mas a realidade da Baixada é outra. Só fazer discurso não tira da lama o pé do trabalhador da Baixada, não emprega ninguém.

Questionado pelos apresentadores, André comentou o impasse entre o PT e o PSB no Rio de Janeiro e defendeu que sua candidatura é a que tem mais chances de derrotar o atual senador Romário, candidato à reeleição apoiado por Bolsonaro.

– A eleição ao Senado ainda não começou, vai começar a partir de quinta-feira, ao meu ver. Se você fizer uma comparação, você vai ver que o meu número vai estar sendo apoiado por três a quatro grandes partidos, isso me dá uns 10% a 15% de votos, você já vê que eu tenho mais chance que o Molon. Em segundo lugar, 86% dos eleitores ainda não me conhecem, apesar de ser presidente da Alerj, mas já foram 92%. Na última pesquisa que eu li, entre os 12% dos que me conheciam, eu tinha mais de 60% de intenção de voto.

André Ceciliano lembrou de eleições anteriores para o Senado, quando os candidatos melhor colocados nas pesquisas de intenção de voto não foram eleitos, como Dilma e César Maia em 2018, quando lideravam as pesquisas de intenção de voto ao Senado por Minas e São Paulo, respectivamente.

– A eleição começa mesmo nesta quinta-feira. O candidato para o Senado é o último a ser escolhido.

Na conversa, André Ceciliano também relembrou sua trajetória como político da Baixada e comentou que trabalha desde os nove anos, quando começou a vender jornais. Também falou de suas propostas para o Senado, como a revisão do pacto federativo, a atração de investimentos estruturantes e a retomada das obras federais no estado. O incentivo a indústria naval também foi um dos temas:

– A Petrobrás aluga mais de 300 embarcações. Se 30% dessas embarcações fizessem reparo no estado do Rio, nós conseguiríamos reabrir os estaleiros que hoje estão fechados.

 

Ouça a entrevista no site do Lado B do Rio ou no seu agregador de podcasts.

RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS NO SEU EMAIL OU POR WHATSAPP

Mais notícias

Presidenta do PT diz que papel do ex-secretário de Assuntos Federativos vai além da sua

Lei determina a instalação de composteiras orgânicas nas escolas e foi proposta através da plataforma

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano

Fotos: Antônio Pinheiro O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva arrastou uma multidão pelas ruas

O Circo Voador, na Lapa, ficou lotado na noite desta quinta-feira (06/10), em um ato

Em clima festivo, o candidato ao Senado pela Federação Brasil da Esperança (PT/PV/PCdoB), André Ceciliano,

Foto: Reprodução / Instagram O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), votou na manhã deste