REGIME DE RECUPERAÇÃO É APROVADO MANTENDO DIREITOS ADQUIRIDOS DOS SERVIDORES

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

As reformas exigidas pela União para adesão ao novo Regime de Recuperação Fiscal foram aprovadas pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) nesta terça (06). Emendas parlamentares garantiram a continuidade dos triênios e da licença-prêmio para os atuais servidores, o reajuste salarial anual e a realização de concursos nas áreas da saúde, ciência e tecnologia, educação e segurança. As medidas foram sancionadas pelo Executivo nesta quarta (07) e estarão no plano enviado pelo Estado do Rio para análise do Governo Federal 

“Diferentemente do último regime, quando a pressa sobrepôs o diálogo pelas razões que conhecemos, desta vez pudemos debater com cada uma das categorias, ouvir suas principais preocupações e ponderações, trabalhar por um texto com comum acordo com o Executivo, Judiciário, Ministério Público, Tribunal de Contas e a Defensoria, contar com todas as partes envolvidas, mas, sobretudo, com a sociedade, porque a sociedade é a principal beneficiária de um serviço público de qualidade”, comentou o deputado André Ceciliano (PT).  

📄 Clique e leia na íntegra o discurso do deputado André Ceciliano 

O novo RRF tem duração de dez anos e as condições de pagamento da dívida de R$ 172 bilhões do Estado com a União são as seguintes: no primeiro ano, fica suspenso o pagamento da dívida e, nos nove seguintes, o pagamento retorna de forma parcelada, aumentando o valor da parcela gradativamente. Ao todo, o Rio terá 30 anos para quitar a dívida.  

Adesão ao Regime (Lei 9.429/21)

  • O governo poderá realizar concursos nas áreas da saúde, ciência e tecnologia, educação e segurança, além dos concursos para cargos vagos desde 6 de setembro de 2017, data da entrada no primeiro regime. A proposta enviada previa a extinção de todos os concursos durante o RRF.
  • -Também foi estabelecido que não configura descumprimento às vedações do RRF a recomposição salarial dos servidores

 

 Teto de Gastos (Lei Complementar 193/21) 

  • O teto de gastos de 2022 será de 71,6 bilhões, valor das despesas de 2018 corrigido pela inflação de janeiro de 2018 até dezembro de 2021. A medida aumentou o percentual anterior, que era de 18%.
  • Foram retirados do teto de gastos alguns fundos, entre eles o de Assistência Social (FEAS), Polícia Civil (FUNESPOL), de Combate à Pobreza (FECP), e o Fundo Soberano
  • Professores que migraram do regime de 16h para 30h poderá ser custeado e não configura quebra do regime. 

 

Mudanças em triênios (Lei Complementar 194/21)

  • Adicional por tempo de serviço continua a valer para todos os servidores atuais e para os que forem aprovados em concursos cujos editais foram publicados até 31 de dezembro de 2021. Governo previa extinção do benefício para todos os servidores. 
  • Para os futuros servidores, foi autorizada a criação de adicional por tempo de serviço, com base na avaliação de desempenho e capacitação.
  • As licenças-prêmio foram mantidas, mas a conversão em pecúnia indenizatória não poderá ser concedida. O governo previa a extinção das licenças para todos os servidores. 
  • A progressão e promoção de carreiras também foram mantidas. O servidor que optar por novo concurso manterá seus triênios antigos, mas não terão novos aumentos no novo cargo. 

 

Reforma Previdenciária (Emenda Constitucional nº 90/2021 e Lei Complementar nº 195/21)

 

  • Os deputados mantiveram regras atuais com relação ao abono permanência e a pensão por mortes.A mensagem original acabava com o abono permanência e alterava o benefício de pensão por morte que passava a contar como cota familiar de 50% do valor, acrescido de 10% a cada dependente.
  • A regra atual mantém 100% do benefício para salários de até R$ 6 mil reais.
  • A idade mínima de aposentadoria para o servidor comum ficou em 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, conforme estabelece a reforma federal
  • Duas regras de transição foram aprovadas: uma de pontos (que soma o tempo de serviço + idade) e outra por pedágio, e nesta última foi estabelecida a ampliação da contribuição por tempo de serviço em 20%.A mensagem original fixava um pedágio de 100%. Se a pessoa, por exemplo, tivesse dois anos para se aposentar, deveria trabalhar quatro.
  • O cálculo da aposentadoria de futuros servidores foi mantido assim como a mensagem original em 100% das contribuições, sendo que o valor final será calculado sobre 60% da média aritmética de todas essas contribuições.
  • Já o cálculo para as aposentadorias manteve as regras atuais, inclusive para os concursados antes de 1998.A mensagem original do governo trazia as mesmas regras dos novos para os antigos.
  • Ocupantes dos cargos de agente penitenciário, agentes socioeducativos e policiais civis terão direito à redução de cinco anos devido à periculosidade das carreiras, o que, na prática, diminui a idade mínima de aposentadoria de 55 anos para 50, válido no caso de homens e mulheres.No texto original a idade era de 55 anos.
  • Bombeiros militares e policiais militares continuam regras federais junto com as Forças Armadas.

RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS NO SEU EMAIL OU POR WHATSAPP

Mais notícias

Ceciliano defendeu o protagonismo das universidades para recuperação econômica do Rio As ações do presidente

A Comissão Especial de Acompanhamento do Programa Supera RJ, criada pela Assembleia Legislativa do Estado

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano (PT),

Comissão Parlamentar de Inquérito, presidida pelo deputado Luiz Paulo, vai analisar o compromisso de pagamento

Estado pode ser o primeiro da federação a possuir um plano regional. Medida pretende atrair

 Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta terça-feira (10/05), o Projeto

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano