REGULAMENTAÇÃO DO FUNDO SOBERANO RECEBE EMENDAS E SERÁ DISCUTIDA EM AUDIÊNCIA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Fundo poderá ser aplicado excepcionalmente no Orçamento quando houver queda no preço do barril do petróleo; projeto está sendo ajustado a partir de reuniões pelo estado 

O projeto de lei complementar 42/21, que regulamenta o Fundo Soberano, recebeu 63 emendas e foi retirado de pauta no plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) nesta terça-feira (26/10). O fundo já faz parte da Constituição Estadual, criado pela emenda 86/21, e precisa da regulamentação para ser colocado em prática. A medida, de autoria do presidente da Casa, deputado André Ceciliano (PT), deve voltar à pauta nas próximas sessões. Antes, será discutida em audiências públicas em todo o estado.

O fundo será usado para custear ações estruturantes  nas áreas de Saúde, Educação, Ciência e Infraestrutura a médio e longo prazo. O PLC prevê a criação de um conselho gestor para elaborar a política de investimentos. “Eu mesmo apresentei emendas a esse texto depois de contribuições das universidades, de economistas e do setor empresarial”, comentou o autor. “Uma delas é para que a gestão do fundo seja feita pela Secretaria de Planejamento, não a de Fazenda”, adiantou.

Pela redação atual, o Conselho Gestor do Fundo Soberano (CGFS) seria presidido pelo secretário de Estado de Fazenda, com vice-presidência do secretário de Estado de Governo. “A Sefaz tem a função de gerenciar o Tesouro, não de pensar uma política de planejamento a curto, médio e longo prazo”, completou o deputado Luiz Paulo (Cidadania).

Ainda fazem parte do grupo o secretário de Estado de Planejamento e Gestão, o procurador-geral do Estado, membros do Tribunal de Contas (TCE-RJ), do Ministério Público Estadual (MPE-RJ) e da Defensoria Pública (DPRJ) – além de um representante da Alerj indicado pelo presidente do Parlamento. A participação no conselho não será remunerada. “O Estado do Rio tem inúmeras instituições importantes e os reitores precisam estar representados neste conselho”, sugeriu o deputado Waldeck Carneiro (PR).

Royalties e participações especiais

Assim como na Emenda Constitucional 86/21, o PLC 41/21 aponta que os repasses para o fundo acontecerão sempre que houver aumento na arrecadação para os royalties e participações especiais do petróleo e gás: 30% desse aumento irá para o fundo. Ele também será composto por 50% de todas as multas aplicadas às empresas que fazem a extração na costa do nosso estado, além do saldo de exercícios anteriores e doações feitas por entidades públicas e privadas. “Em 2022, há a previsão de aumento de R$ 4 bilhões dessas receitas, então poderíamos começar o fundo com um aporte de R$ 1,2 bilhão”, calculou Luiz Paulo, que preside a Comissão de Tributação.

O deputado André Ceciliano explica que um dos objetivos é tornar o Estado menos impactado pelas oscilações das receitas dos royalties de petróleo.  “A dependência do chamado ‘ouro negro’ fez o Rio mergulhar em sua pior crise financeira, quando o preço do barril caiu 70% em 2014. Por isso, é preciso construir um futuro além do petróleo, que é um recurso que não vai estar disponível para sempre, seja pelo fim das reservas ou pela mudança da matriz energética do planeta”, explicou o presidente.

A regulamentação proposta ainda prevê que o dinheiro  do fundo poderá ser aplicado no orçamento estadual sempre que as receitas de royalties caírem mais de 30%. Nesses casos, só poderá ser usado até 20% do que está disponível no fundo.

Reuniões nos municípios 

A regulamentação do Fundo Soberano do Estado está sendo discutida pela Alerj em diversos municípios. O primeiro deles foi Itaguaí, na Região Metropolitana, onde autoridades públicas destacaram a importância do incentivo à construção de uma nova rota de gasoduto e o fortalecimento da indústria naval como as principais estratégias para a região. O próximo debate acontece nesta sexta (29), no município de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense.

RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS NO SEU EMAIL OU POR WHATSAPP

Mais notícias

Presidenta do PT diz que papel do ex-secretário de Assuntos Federativos vai além da sua

Lei determina a instalação de composteiras orgânicas nas escolas e foi proposta através da plataforma

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano

Fotos: Antônio Pinheiro O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva arrastou uma multidão pelas ruas

O Circo Voador, na Lapa, ficou lotado na noite desta quinta-feira (06/10), em um ato

Em clima festivo, o candidato ao Senado pela Federação Brasil da Esperança (PT/PV/PCdoB), André Ceciliano,

Foto: Reprodução / Instagram O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), votou na manhã deste