Diretora do Circo Voador, Maria Juçá recebe Medalha Tiradentes

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em clima de celebração democrática no Circo Voador, que reuniu mais de 300 pessoas, o presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano (PT), entregou na noite desta terça-feira (24/5) a Medalha Tiradentes à produtora cultural Maria Juçá Guimarães. Essa é a maior honraria concedida pelo Parlamento fluminense a pessoas que contribuem com relevantes serviços relacionados às causas públicas do estado.

Aos 72 anos, Maria Juçá está há quatro décadas à frente do Circo Voador, uma das principais casas de shows do Rio de Janeiro, responsável pelo lançamento de grandes nomes da MPB e do rock nacional. Também esteve envolvida em diversas outras iniciativas no estado, como o Distrito Cultural da Lapa, o Parque Lage, o Museu de Arte Moderna (MAM) e o Paço Imperial, além de projetos culturais da Unicef e atividades socioculturais, como a implantação de escolas livres de educação e arte.

O presidente da Alerj destacou o importante papel social do Circo Voador para a cultura e as artes. “O Rio sempre foi o tambor cultural do Brasil. E o Circo Voador é lembrança de resistência, de ousadia. Este espaço também tem projetos sociais belíssimos e foi palco de tantas manifestações culturais importantes”, disse. O deputado lembrou de sua juventude, quando ia ao Circo assistir a Geraldo Azevedo, Celso Blues Boy e tantos outros artistas. “Sou apaixonado por música, artes e cinema”, comentou.

Ceciliano disse ainda que a homenagem à Maria Jucá foi aprovada pelos deputados por unanimidade em reconhecimento ao trabalho prestado por ela à cultura do estado. Ele lembrou de outras iniciativas de sua autoria em benefício da cultura, como a lei do ICMS da cultura para captação de recursos. “Tiramos a burocracia da Fazenda e passamos essa captação para a Cultura”, explicou.

Muito emocionada com a homenagem, Maria Juçá falou sobre importância de receber a Medalha Tiradentes num momento tão difícil para a cultura brasileira. “Esta homenagem faz a gente se reencontrar e se unir de novo. Vamos vencer. As ideias valem mais. Pessoas que têm ideias e que falam são temidas. Eu falo porque não tenho medo”, disse Juçá, que chegou a fazer greve de fome contra o fechamento do Circo Voador pelo governo municipal no final dos anos 90.

”Em um momento como este que estamos vivendo, em que a atividade artística é perseguida, desrespeitada e excluída do acesso aos processos de produção, ter meu trabalho de produtora cultural reconhecido como um relevante serviço prestado à causa pública é um incentivo a continuar na luta”, declarou a homenageada, que foi autora e produtora do programa Rock Voador em 1982, responsável pelo lançamento de muitas bandas.

A mesa em homenagem à Maria Juçá contou com a presença dos cantores Frejat e Tereza Cristina, do diretor teatral Amir Haddad e do produtor cultural Júlio Barroso, que discursaram relembrando o importante papel da homenageada e do Circo Voador para a cultura carioca e nacional. Houve também apresentações musicais e teatrais dos grupos Quizomba, Zamzar, Cia Livre Acesso, Orquestra Voadora, Acrobacia Aérea, Desenforca Tiradentes, Slam das Minas e Mística MST, terminando com o show do grupo Samba que Elas Querem.

RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS NO SEU EMAIL OU POR WHATSAPP

Mais notícias

Único prefeito do Partido Socialista Brasileiro (PSB) no estado do Rio, o petropolitano Rubens Bomtempo

Presente no ato, Marcelo Freixo lembrou que deputado não largou o PT  “nos momentos mais

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou em discussão única, nesta

Projeto aprovado em plenário inclui consumidores comerciais, como MEIs e microempresários, além de possibilitar anistia

Nesta quinta-feira (23/06), foram sancionadas quatro leis de autoria do deputado André Ceciliano (PT)  que

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou, em discussão única, nesta

“Sempre estive no Partido dos Trabalhadores, não me vejo em outro partido.” Essa foi uma